Zezé Di Camargo leva mais de 20 mil pessoal para apresentação em Moita Bonita(SE)

Zezé Di Camargo e Daniel Diau – Foto: Divulgação

“Rústico” é mais do que o título do projeto solo de Zezé Di Camargo. É o sinônimo do estilo de vida que o cantor e compositor escolheu para viver desde que começou a pandemia. O resultado traz DVD, EPs e show, que tem percorrido o Brasil e levou mais de 20 mil pessoas, ontem, dia 30 de setembro, na Festa dos Caminhoneiros em Moita Bonita (SE), com direção de Emmanoel Camargo, empresário e irmão do artista. Na plateia, estava o amigo Daniel Diau, vocalista do Calcinha Preta

No repertório, músicas do projeto solo de Zezé Di Camargo, como “Banalizaram”, “Pedras” “Fraude”, “35 latas de cerveja” e “Vou ter que tomar uma”. Ele também relembrou hits de sua autoria e canções da trajetória da dupla que tem com o irmão Luciano. Sendo assim, clássicos como “É o amor”, “Muda de Vida”, “Dois Corações”, “Pão de amém” e “Flores em Vida” agitaram o público sergipano.

Sobre Rústico:
Com direção de Anselmo Troncoso, produção musical de Felipe Duran, supervisão geral de Emmanoel Camargo e artística com assinatura de Rafael Vannucci, “Rústico” foi registrado no final do ano passado, na Villa Cavalcare, uma charmosa casa de eventos na capital de Goiás.

“Por conta do isolamento social, provocado pela pandemia, eu me instalei na minha fazenda em Araguapaz (GO), onde criei e desenvolvi ‘Rústico’, que resgata ainda mais a minha essência de homem do campo. Eu não só declamei, como até profetizei em um poema que escrevi há alguns anos: ‘Nasci numa casa branca, fincada num pé de serra, onde canta os passarinhos e é mais bela a primavera. Sou da terra onde o mato fica verde o ano inteiro, sou do estado que pulsa o coração do brasileiro… Sou menino viajante em busca de algo mais, mas um dia eu volto e planto os meus sonhos em Goiás’. No fundo é isso: com a ausência dos shows, voltei às origens, levei a minha mulher e os meus pais para a fazenda. Lá, dia a dia, crescia a vontade de produzir algo com o meu jeito de ser. É bem assim: plantar os sonhos na minha terra”, afirma Zezé Di Camargo.

O sonho se materializa em um produto audiovisual com EP de cinco faixas e também clipes, que estão nas plataformas digitais, no canal do artista no Youtube e em todas as rádios do Brasil.

Com repertório especial para o show de Belém, pode-se esperar muita moda de viola para quem tão bem entende do público de sertanejo e que soma 30 anos de brilhante carreira ao lado do irmão Luciano. Por isso, ele já avisa de antemão que esse trabalho solo não significa uma separação do mano, mas, sim, um projeto pessoal pelo qual vem se empenhando há bastante tempo.

Todos os detalhes foram milimetricamente pensados e focados na concepção desta estreia, por isso a gravação em uma casa temática, na capital de Goiás, e, agora, a festa à altura dos conterrâneos.

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Jornalista por paixão. Música, Novelas, Cinema e Entrevistas. Designer de Moda que não liga para tendência. Apaixonada por música e cinema. Colunista, critica de cinema e da vida dos outros também. Tudo em dobro por favor, inclusive café, pizza e cerveja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *