MINARI – EM BUSCA DA FELICIDADE: Uma obra poética repleta de sensibilidade

 

Minari, distribuído pela Diamond Films BR,  está concorrendo a 6 categorias no Oscar 2021, incluindo ‘MELHOR FILME’  e apresenta a vida de uma família de imigrantes sul-coreanos que vão para os Estados Unidos em busca de oportunidades e crescimento. Somos apresentados aos membros que compõe aquela família e às adversidades que acontecem com eles e no meio que os cercam. E a forma como nos é apresentada essa trajetória é de encher os olhos e deixa aquele quentinho em nossos corações. Confira a nossa crítica, sem spoiler, a seguir.

A história de “Minari” se passa nos Estados Unidos dos anos 80. Somos apresentados a uma familia coreana que chega ao país, para uma região de Zona Rural próxima a Califórnia. O pai resolve investir seu capital em um bom pedaço de terra para plantar vegetais e legumes coreanos e comercializá-los, a fim de obter um retorno financeiro a longo prazo e deixar a forma como eles trabalham comumente (em uma granja) em segundo plano. Ou seja, prosperar em diversos sentidos. Mas, como tudo na vida exige a passagem por obstáculos, vemos a diversas nuances da vida dos membros dessa família: a mãe Monica (Yeri Han), sempre muito racional, evita riscos desnecessários, o que ocasiona algumas discussões com seu marido, que só pensa tornar prósperos os negócios da familia, arriscando o capital que tem guardado para tirá-los daquela situação. Além disso, por ser o chefe de família , quer que as coisas sempre venham a dar certo, logo não pensa em desistir de tudo. Eles possuem dois filhos,  o pequeno e brilhante David (Alan S. Kim), e a jovem e muito responsável Anne (Noel Kate Cho). Em busca de facilitar a rotina de trabalho com as crianças, a mãe Monica convida sua mãe (Yuh-Jung Youn) a vir morar com eles, o que provocará boas e engraçadas surpresas no convívio dessa família.

Reprodução: Diamond Films

Afinal o que significa “MINARI“, nome que dá o titulo ao filme? Seria um termo associado a um legume ou planta na cultura coreana, a Oenanthe javanica.

A abordagem do diretor Lee Isac Chung é muito sutil e objetiva naquilo que ele se propõe a apresentar como história. O público é convidado a passear em diversos elementos que fazem parte do cotidiano daquela família. São apresentados, por exemplo, à cultura, às raízes de um povo, à busca por uma oportunidade melhor de vida em um outro país, ao fortalecimento do ser humano perante a sua fé, ao convívio em família, às dificuldades financeiras, a ciúmes, a desconfiança, a sorrisos. Tudo isso alavanca ainda mais a história.

Em relação aos aspectos técnicos, a fotografia de “Minari” não denota uma carga imensa de investimento, mas trata a trama de maneira cuidadosamente alinhada à sua boa trilha sonora, que acerta em muitos momentos.

Reprodução: Diamond Films

No que diz respeito ao quesito atuação, temos elementos memoráveis, pois todos os astros desenvolvem trabalhos magníficos. Steven Yeun (Jacob) e Ye-Ri Han (Monica) entregam diálogos profundos e fortes no convívio como marido e esposa, com seus medos e anseios e busca por novas conquistas. Todo o relacionamento é uma balança e o filme, através desses personagens, consegue mostrar isso. A jovem Noel Cho (Anne) mostra toda a postura e responsabilidade de uma irmã mais velha a desempenhar seu papel de ajuda para o convívio familiar.  Mas os momentos mais marcantes, leves e alegres, através de uma grande história como subtrama, são vivenciados por duas verdadeiras potências de atores, ambos em fases diferentes da vida mas com um talento sem igual: a vovó Sonja, interpretada magistralmente pela atriz Yuh-jung Youn, que tem grande chance de levar o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante, e seu neto David, interpretado por um grande ator mirim Alan Kim.

Reprodução: Diamond Films

Seus momentos, diálogos e interações são inesquecíveis e alavancam, sem igual, a potência da história de “Minari”. Fiquem muito atentos às nuances demonstradas por eles.

Confira o trailer :

“MINARI – Em Busca da Felicidade” surgiu como uma grata surpresa na temporada de premiações e pode muito bem brilhar nas 6 categorias que está concorrendo ao Oscar. Mesmo com um final um pouco abrupto, a ideia central da sua mensagem é passada e muitos poderão compreender essa escolha do diretor; poesia merece e deve ser sentida. MINARI é um verdadeiro abraço em todos nós! Parabéns a todos os envolvidos! Um ótimo filme!

NOTA  – 8

LUAN RIBEIRO


ArteCult – Cinema & Companhia

Siga nosso canal e nossos parceiros no Instagram para  ficar sempre ligado nas nossas críticas, últimas novidades sobre Cinema e Séries, participar de sorteios de convites e produtos, saber nossas promoções e muito mais!

@artecult , @cinemaecompanhia , @cabinesete ,
@cinestimado , @cineelaw@hospicionerdoficialp

#VamosParaOCinemaJuntos

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Luan Ribeiro
Sou natural de Mata de São João, Bahia, mas atualmente moro na cidade do São Paulo. Sou formado em Engenharia, mas sempre tive uma verdadeira fixação pelo universo cinematográfico e sou o admin do @CinemaeCompanhia no Instagram. Assistir um filme é minha válvula de escape para mergulhar e me aventurar em mundos totalmente novos e me desligar dos problemas do dia-a-dia. Aproximadamente de duas a três vezes confiro as estreias da semana nas telonas, digamos que eu seja quase um “rato de cinema”. rs Será um enorme prazer compartilhar aqui minhas opiniões sobre os filmes e suas principais curiosidades. E uma ótima oportunidade para poder aprender e "trocar figurinhas" com todos vocês! Espero que se divirtam muito e curtam minhas dicas. Que a FORÇA esteja com vocês!!! Forte abraço! Luan Ribeiro. Instagram.com/CinemaeCompanhia e-mail: luancribeiro@hotmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *