MUNDO EM CAOS: Uma ficção criativa que perde a oportunidade de ser algo mais

 

Baseado no livro primeiro livro de uma franquia escrito por Patrick Ness, Mundo em Caos que estreia amanhã (13) nos cinemas brasileiros, parece ser a priori um filme distópico, pós-apocalítico, mostrando o que restou da humanidade vivendo em uma aldeia isolada no meio da floresta e com poucos recursos, entretanto, o longo apenas se aproveita desses elementos, já que o ambiente se passa em outro planeta e num futuro distante, revelando que os homens dessa aldeia não são nativos de lá. Mesmo se tratando de uma história futurística, o diretor Doug Liman não foca tanto em acrescentar adereços de alta tecnologia. Apesar de estarem presentes, não são utilizados o tempo todo.

Cena de “Mundo em Caos”. Foto: Divulgação/Paris Filmes.

Em vez de focar nesse elemento tecnológico, o diretor explora um outro recurso bem interessante do planeta, que é o tal ‘ruído’ que afeta apenas os homens, que é nada menos que a manifestação verbal e visual dos seus próprios pensamentos. Além de expor cada pensamento , também conseguem materializar imagens criadas por sua mente através de sonhos ou lembranças. Isso é explorado de várias formas, dentro e fora da narrativa, como um meio de defesa ou ataque, ou até mesmo como um recurso cômico, já que muitas vezes o protagonista Todd (Tom Holland) tem dificuldade de controlar seus pensamentos sobre a protagonista feminina Viola (Daisy Ridley), criando para ele mesmo vários momentos constrangedores, mas que ajudam a aliviar a tensão depois de muita agitação.

Cena de “Mundo em Caos”. Foto: Divulgação/Paris Filmes.

Já sobre a trama, o roteiro não é muito criativo sendo a mesma jornada do herói que tem que proteger e ajudar a garota, tanto que até o momento em que o protagonista conhece a garota, o ritmo não apresenta agilidade em apresentar ou estabelecer os personagens, e até mesmo as cenas de maior confronto mortal não possuem o clima esperado. Mas de uma forma geral, a direção cria boas passagens que deixam o ritmo estável o suficiente para o espectador querer acompanhar a história até o fim.

Os atores que mais se destacam são Daisy Ridley Mads Mikkelsen. Daisy, que interpreta Viola, tem um bom desempenho, com expressões de susto, desorientação e surpresa a maior parte do filme ao se deparar com um mundo totalmente novo para ela. Isso combina com a situação em que se encontra, mas a direção não se preocupa que ela permaneça sempre com essas mesmas reações, mesmo quando ela tem um momento mais alegre ou de esperança. O personagem de Mads nos dá inicialmente a impressão que possui uma boa intenção para com Viola, até o momento de reviravolta, o que nos traz à tona suas reais intenções. Esse plot twist fica bem óbvio quando a trama começa a ganhar mais dinâmica, algo bem esperado logo depois de Todd se volta contra seu povo para ajudar a Viola.

Cena de “Mundo em Caos”. Foto: Divulgação/Paris Filmes.

Sobre a atuação do Tom Holland, infelizmente, ele é o que nos entrega uma das performances mais decepcionantes, pois praticamente faz a mesma expressão de garoto frágil, mas sempre disposto a mostrar sua coragem o tempo inteiro.  Só não é o pior ator do filme, porque perde pro Nick Jonas, que faz o típico personagem que banca o machão babaca em público, mas sempre abaixa a cabeça na presença do pai. Trata-se de um personagem tão irritante toda vez que ele aparece, que o desejo do público é que ele saia logo de cena. Por sorte, ele tem pouca participação no filme e não compromete tanto a história.

Cena de “Mundo em Caos”. Foto: Divulgação/Paris Filmes.

Outras questões como os nativos do planeta serem apresentados como uma ameaça são até bem estabelecidas através de um trauma que afetou toda a aldeia, e existe um momento para mostrar que essas criaturas ainda continuam habitando o planeta, mas o roteiro simplesmente os esquece de uma hora para outra, perdendo a chance de explorar esse elemento. Aliás, notamos exatamente isso no decorrer do filme: ou o roteiro acrescenta algo curioso para ser mais explorado ou finaliza de um modo ambíguo ou sem conclusão.

CONFIRA O TRAILER:

 

Mundo em Caos é um bom filme que mostra um conceito de ficção bem diferente que funciona, é atrativo pelos nomes famosos do elenco, não chega a ser mais do mesmo, mas também perde a chance de criar uma identidade própria que faça o filme ficar marcado na cabeça do espectador.

NOTA: 5,0

BRUNO MARTUCI

 


ArteCult – Cinema & Companhia

Siga nosso canal e nossos parceiros no Instagram para  ficar sempre ligado nas nossas críticas, últimas novidades sobre Cinema e Séries, participar de sorteios de convites e produtos, saber nossas promoções e muito mais!

@artecult , @cinemaecompanhia , @cabinesete ,
@cinestimado,  @cineelaw e @marimastrange

#VamosParaOCinemaJuntos

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

BRUNO MARTUCI
Colaborador de CINEMA & SÉRIES dos sites ARTECULT.com, The Geeks, Bagulhos Sinistros, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *