Por que as nações fracassam ?

 

As razões que levam ao fracasso das nações sempre fizeram parte de minhas indagações. O livro dos economistas e professores Daron Acemoglu e James A. Robinson, cujo título é homônimo deste artigo, é fruto de quinze anos de pesquisas em busca de respostas das origens do poder, da prosperidade e da pobreza das nações.

Tal como irmãos consanguíneos que, em muitos casos, são tão próximos e tão diferentes os autores analisam alguns países e cidades limítrofes, cujas condições de vida de suas populações são muito distintas. Uma dessas é a cidade de Nogales cortada ao meio apenas por uma cerca. A metade norte, pertence ao Arizona (EUA) e tem renda média per capita anual de US$ 30 mil e a maioria dos jovens frequenta escolas e a maioria dos adultos concluiu o ensino médio. A população é rica, de alta expectativa de vida. A parte sul, pertence ao estado de Sonora (México) e tem renda per capita anual de US$ 10 mil e a maioria dos jovens não frequenta a escola e a dos adultos não teve seus estudos concluídos. Sua população pobre se defronta com saúde precária, alta mortalidade infantil, infraestrutura deficiente e criminalidade elevada.

São três as teorias que tratam das razões das desigualdades entre as nações. Em síntese:

a) A localização geográfica e clima. A maioria das nações ricas está em latitudes temperadas e muitas de nações pobres em regiões quentes. O filósofo Montesquieu afirmou que “indivíduos de regiões quentes são preguiçosos e pouco inquisitivos”. Logo, o clima e a geografia são determinantes do nível de renda. Para os autores, regiões quentes e mais susceptíveis as doenças tropicais não limitaram o avanço da qualidade e condições de vida da população de Cingapura, Malásia e Botsuana. Portanto, essa teoria tem apelo superficial ao não conseguir explicar as diferenças entre as atuais Coréia do Sul e do Norte e a Alemanha oriental e ocidental, de outrora.

b) A cultural. Esta teoria se baseia, em parte, em Max Weber, cuja ética protestante foi um dos fatores da ascensão industrial européia. Outros teóricos acreditam que a América Latina jamais enriquecerá devido o caráter libertino e carente de seu povo, que sofre do legado “ibérico”. Os autores afirmam que essa teoria desenvolve boas e más razões para justificar as desigualdades das nações. Tudo depende da intensidade de como o “caldo cultural social” (religião, crenças, valores nacionais e éticas) influencia as escolhas e atitudes de seus indivíduos. Eles acreditam que há poucas evidencias entre religião e prosperidade e citam vários fatos históricos.

c) A ignorância. Esta teoria sustenta que as desigualdades decorrem da incapacidade dos mandatários das nações pobres em resolverem as falhas de mercados, enquanto os das nações ricas concebem melhores práticas para eliminá-las. Os autores citam alguns exemplos de políticas econômicas que fracassaram em suas consequências, mas “menos por ignorância” e mais por escolhas que geraram “pobreza proposital”. Se o problema da pobreza fosse a ignorância, bastaria escolher mandatários bem esclarecidos e, assim, implementar ações para estimular a prosperidade. Os autores argumentam que, para compreender as desigualdades é preciso ir além e entender por que as sociedades são organizadas “de maneiras ineficazes e socialmente indesejáveis”.

Então, por que das nações fracassam? A hipótese de Daron e James está na construção de “instituições inclusivas”. As nações se tornam ricas econômica e socialmente pela qualidade e vigor de suas instituições capazes de deter o Estado que, na definição de Max Weber, é o monopólio da violência legitimada.  A amplitude das pesquisas identificou que as disputas em torno das instituições e da distribuição de recursos sempre estiveram presentes ao longo da historia da humanidade. No entanto, o processo de escolhas em direção à consolidação de “instituições inclusivas’, que levou a riqueza a muitas nações tem em seu cerne o acesso, as condições e as oportunidades iguais a todos. Os mercados inclusivos preparam o ambiente para os motores da riqueza (educação e inovação) e garantem o direito de propriedade e o cumprimento de contratos. Esses não são “livres” mercados, mas reguladores e transparentes.

Nas nações pobres, as escolhas foram em direção à criação e fortalecimento de instituições extrativistas, que transferem renda e riquezas de um segmento da sociedade para beneficiar outros. O grupo dominante, parasitário, detém o poder político de selecionar instituições com menores restrições e forças contrárias. As “instituições extrativistas” só sobrevivem com políticas econômicas “não inclusivas”, gerando perpetuação da pobreza. Destaco aqui, dois fatos. Um sobre injustiça e o outro envolvendo crianças. Um de sucesso e o outro não.

No século 18, era comum a Grã-Bretanha deportar “criminosos” para suas colônias. Neste contexto, certa vez, um casal de condenados e seu filho pequeno seriam deportados para a Austrália em datas diferentes. A noticia se espalhou e uma “lady” filantropa fez campanha para reunir a família. Ela, ainda, levantou boa quantia de libras esterlinas a fim de comprar-lhe bens quando chegasse ao destino, mas, pelas leis inglesas os condenados não tinham permissão de possuir nada. Dessa forma, ao fim da viagem, o capitão do navio comunicou ao casal que o pacote com o dinheiro havia desaparecido ao longo do percurso. Um juiz, chamado Collins, aceitou o caso e deu ganho de causa ao casal pelas leis australianas, e não pelas leis britânicas. O capitão foi condenado e lhe exigiram, ainda, o pagamento de 15 libras. Assim, a Austrália ao longo de sua história se diferenciou da colonizadora no tocante aos seus códigos criminais e civis e, ainda, quanto à variedade de instituições e políticas econômicas inclusivas.

No século 21, em uma ex-colônia da antiga União Soviética, em época do preparo do solo e depois da colheita do algodão, que representa quase 50% das exportações, as aulas das escolas são suspensas. Sem autorização dos pais, as crianças são obrigadas a trabalhar no campo e, ainda, têm que levar seu almoço. A atividade agro-exportadora de algodão pertence às elites políticas do país. Lá as instituição e políticas econômicas são extrativistas, a pobreza se perpetua e as condições e qualidade de vida são muito baixas.

Várias outras nações e fatos históricos foram pesquisados, inclusive os da América Latina. O Brasil não foi esquecido. Neste caso, cabe ao leitor avaliar.

 

VIRENE MATESCO

Clique aqui para ver mais artigos de Virene Matesco

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

VIRENE MATESCO
EMPRESÁRIA E INVESTIDORA-ANJO. DIRETORA-PRESIDENTE DA MATESCO & LOPES CONSULTORIA. PROFESSORA DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV-MANAGEMENT), DESDE 1997. ELEITA, POR TRES ANOS CONSECUTIVOS A MELHOR PROFESSORA DE ECONOMIA DO FGV/MANAGEMENT E TOP 16 NO RANKING NACIONAL. GANHADORA DE QUARENTA E UM (41) PRÊMIOS DE DESTAQUE ACADÊMICO PELA FGV.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *