Analógico Lógico: O Botequim Fotográfico

No destaque, a lente Biotar.

Saudações, pessoas! Hoje é domingo, todo mundo em casa, então eu queria fazer essa conversa semanal com vocês de uma forma bem relax, bem tranquila. Então pus o título de “Botequim Fotográfico”. Agora já podem pedir a cerveja estupidamente gelada e as batatas pra gente começar a conversa.

Semana passada conversei muito por alto com vocês sobre a Carl Zeiss. Na continuação do meu vídeo no Canal Analógico Lógico, no YouTube, faço uma avaliação de uma de suas lentes mais famosas: a Biotar! Até o nome é gostoso de falar. Quando eu me refiro genéricamente a ela, estou querendo me referir ao modelo de 58mm f/2, que considero o mais famoso, não por ser melhor que as outras versões, mas, principalmente por ser menos raro de achar e devido ao fato de haver inúmeras “cópias”, não dele exatamente, mas de seu projeto óptico, pois no decorrer da Segunda Guerra, a indústria alemã foi devastadoramente bombardeada e quando a guerra terminou e houve a divisão da Alemanha, a fábrica da Zeiss, em Jena, ficou do lado oriental e a União Soviética levou todo o maquinário, peças e vidros ópticos da Zeiss para dentro de seu território, onde todos os seus projetos foram molecularmente copiados e reproduzidos em diversas fábricas na Rússia, pela KMZ (Krasnogorsk Mechanical Zavod), na Belarrússia pela MMP (Mincan Mechanical Zavod) e na Ucrânia pela Kiev Arsenal, dentre outras, como Valdai e Vileika…

Então nessa estória, grandes – até então –  segredos corporativos foram expropriados e iniciou-se a fabricação em massa de equipamentos fotográficos do lado oriental. Quase todas réplicas de máquinas alemãs, como as Leica, as Contax, Praktiflex… E que vinham equipadas com lentes genéricas que eram tão boas, e as vezes até melhores, que as originais (mas não contem pra ninguém!). E quase toda essa produção era destinada à exportação, como forma de angariar fundos pelas perdas da guerra.

Outro detalhe interessante nesse processo é que esses equipamentos, invariavelmente, eram divididos em dois grupos: o para exportação e o para venda no mercado interno. O primeiro grupo parecia ter um esmero maior na produção e não só em termos de um melhor acabamento mas, também, um melhor refinamento como, por exemplo, lentes com um coating melhorado, que geralmente eram indicados com gravações como um “T” ou um “V” vermelho ou um “MC”ou um “1Q”, no caso das câmeras.

Mas e as Biotar? Vocês devem estar se perguntando. Bom, a resposta é simples! Não, mentira, não é tão simples assim. Mas, resumidamente, elas foram clonadas e se tornaram simplesmente a lente de maior produção da história! Uma produção tão enorme, com tantas variações e modelos feitos por tantas e tantas fábricas, que nem se tem mais ideia de quantos milhões de modelos foram produzidos da famosíssima lente Helios 44, de 58mm f/2, exatamente como sua querida e cara irmãzinha, a Biotar. Legal, né? Tendo sido feita por diversos fabricantes, as vezes simultaneamente, em várias “evoluções”, marcadas por letra e números, como: 44, 44-2, 44-M, 44-K, 44-M-3…

Fato curioso é que a lente se apropriou, inclusive, do nome do design óptico, pois se chamando Helios (sol, em grego), fazia referência direta ao design Sonnar (sonne = sol, em alemão), das Biotar.

Espero que tenham gostado de nossa conversa e aguardo a visita de vocês no Canal Analógico Lógico, para aprofundarmos essa e outras estórias.

Um grande abraço, uma boa, linda e gloriosa semana para todos. Hare, Hare!

VEJA MAIS VÍDEOS DO CANAL
ANALÓGICO LÓGICO !


https://youtube.com/channel/UCom1NVVBUDI2AMxfk3q8CpA

 

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

ANALÓGICO LÓGICO!
Vitor Oliveira é dono de uma visão poética sobre a vida e o mundo que o permeia. Fotógrafo experiente e autodidata, fotografa desde os 10 anos de idade influenciado por seu avô, o pintor paisagista Altamiro Oliveira, de quem, além da pintura clássica, o influenciou no desenho e na literatura, arte que exerce escrevendo romances ambientados no submundo de uma São Sebastião do Rio de Janeiro do final do Séc XIX e começo do Séc XX que não mais existe. Pesquisador de métodos, técnicas e equipamentos fotográficos e colecionador, Vitor Oliveira fotografa principalmente em película, por considerar que, após quase 200 anos de evolução desta forma de arte, esta ainda oferece os melhores resultados, ao depurar a técnica artística, quase que alquimicamente. Sendo um dos únicos fotógrafos de nível mundial a participar, usando filme, no maior concurso fotográfico do mundo, o Sony World Photography Awards, da World Photography Organization, Vitor Oliveira inaugura seu Canal Analógico Lógico!, no YouTube, através do qual procura compartilhar um pouco de uma aprendizagem que nunca finda. Hare Hare! Canal Analógico Lógico! : https://youtube.com/channel/UCom1NVVBUDI2AMxfk3q8CpA Video de abertura: https://youtu.be/N_cuYPi6b4M

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *