Moraes Moreira: Ícone da MPB faleceu hoje, dormindo, no Rio de Janeiro

Foto: Ricardo Borges

 

O cantor e compositor Moraes Moreira , um dos ícones da nossa MPB faleceu nesta manhã desta segunda-feira (13), no Rio de Janeiro, aos 72 anos. A informação foi confirmada pela assessoria de Moraes. Ele morreu de infarto agudo no miocárdio.

Autor de vários sucessos como “Sintonia”,  “Pombo Correio” , o artista faleceuem sua residência na Gávea, no Rio de Janeiro. Ele deixa uma história importantíssima para a música brasileira, inclusive é considerado o primeiro cantor de trio-elétrico.

Novos Baianos

Antonio Carlos Moraes Pires nasceu 8 de julho de 1947 em Ituaçu, no Rio de Janeiro e começou tocando sanfona de doze baixos em festas de São João e outros eventos de Ituaçu, o “Portal da Chapada Diamantina”. Na adolescência aprendeu a tocar violão, enquanto fazia curso de ciências em Caculé, Bahia. Mudou-se para Salvador e lá conheceu Tom Zé, e também entrou em contato com o rock n’ roll. Mais tarde, ao conhecer Baby Consuelo, Pepeu Gomes, Paulinho Boca de Cantor e Luiz Galvão, formou o conjunto Novos Baianos, onde ficou de 1969 a 1975.

Novos Bahianos. Foto: Divulgação.

Juntamente com Luiz Galvão, foi compositor de quase todas as canções do Grupo. O álbum Acabou Chorare, lançado pela banda em 1972, foi considerado pela revista Roling Stone Brasil em primeiro lugar na lista dos 100 melhores álbuns da história da música brasileira divulgado em 2007. Moraes Moreira possui 40 discos gravados, entre Novos Baianos, Trio Elétrico Dodô e Osmar e ainda dois discos em parceria com o guitarrista Pepeu Gomes. Moraes se enquadra entre um dos mais versáteis compositores do Brasil, misturando ritmos como frevo, baião, rock, samba, choro e até mesmo música erudita. Em dezembro de 2015, o grupo Novos Baianos anunciou um retorno com a formação original.

 

Carreira solo

Saiu em carreira solo no ano de 1975, e desde então já lançou mais de 20 discos. Na sua carreira solo, destacou-se como o primeiro cantor de trio elétrico, cantando no Trio de Dodô e Osmar, e lançou diversos sucessos de músicas de carnaval, no que se convencionou chamar de “frevo trieletrizado”. Alguns dos sucessos dessa fase são “Pombo Correio”, “Vassourinha Elétrica” e “Bloco do Prazer”, dentre outras. Durante os anos 80 se afastou um pouco do carnaval baiano, devido a sua comercialização para a indústria do turismo. Em 1994 gravou O Brasil Tem Concerto, influenciado pela música erudita, e no ano seguinte gravou o Moraes Moreira Acústico MTV, mais tarde transformado em CD e DVD.

Moraes Moreira no programa de TV “Cassino do Chacrinha”. Foto: Arquivo Rede Globo.

Em 1997, gravou um disco carnavalesco em que comemora seus 50 anos, 50 carnavais e dois anos depois lança o disco 500 Sambas em homenagem aos 500 anos de descobrimento do Brasil. No ano 2000 lançou o disco Bahião com H, tocando o baião com seu característico sotaque baiano. Em 2003 completou sua trilogia que tinha como tema o Brasil, e incluía os três álbuns Lá Vem o Brasil Descendo a Ladeira (1979) e O Brasil Tem Concerto (1994) e Meu Nome é Brasil (2003). Em 2005 lançou independentemente o surpreendente disco De repente, misturando hip hop com repente nordestino e o swing característico de seu violão. Em 2008 Moraes lançou o livro A história dos Novos Baianos e outros versos em que conta a história do grupo em literatura de cordel e curiosidades sobre as músicas de sua carreira solo, e sai em turnê pelo Brasil com o show homônimo, tocando os maiores sucessos de sua carreira e recitando trechos do livro, que em 2009 foi transformado em DVD e CD.
Em 2012 Moraes gravou o disco A Revolta dos Ritmos, um disco com 12 composições inéditas dele. Paralelo ao novo CD Moraes viajou pelo Brasil, ao lado do seu filho Davi Moraes, com uma turnê comemorando os 40 anos do disco Acabou Chorare. A princípio seria apenas um show, mas devido ao grande sucesso a turnê foi criada e fez uma série de shows.

Foto tirada em 26/06/2010 pelo Garapa – Coletivo Multimídia (www.garapa.org). Moraes Moreira em entrevista ao projeto Produção Cultural no Brasil.

Sua música O Caminhão da Alegria acabou virando alcunha do Sport Club do Recife, na década de 1980, e é sempre tocada antes dos jogos do clube pernambucano na Ilha do Retiro.

 

Alguns de seus maiores Sucessos:

 

  • Acabou , Chorare
  • Sintonia
  • Caminhão Da Alegria
  • Barato Cucaracha
  • Vem Me Perdoar
  • Pot-Pourri – País Tropical/ Chove Chuva
  • Pernambuco
  • Cidadão
  • Alma De Guitarra
  • Petrolina E Juazeiro
  • Banho De Amor
  • Preta , Pretinha
  • lambada De Amor Não Dói
  • Garoto Cavaquinho
  • Carro Alegórico
  • Porque Parou, Parou Porque
  • Bateria Nota 10
  • Dança Dos Bichos
  • Pot-Pourri – Índio / Índio Quer Apito
  • Ferro Na Boneca
  • Pot-Pourri – Viva São João E O Carnaval

 

 

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Redação ArteCult.com
Redação do Portal ArteCult.com.   Expediente: de Seg a Sex - Horário Comercial.   E-mail para Divulgação Artística: divulgacao@artecult.com.   Fundador e Editor Geral: Raphael Gomide.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *