ArteCult no teatro: A Vela – Quando o Preconceito Mora em Casa

A VELA – Quando o preconceito mora em casa – CAPA AC

E o ArteCult foi, novamente, ao teatro. Dessa vez, prestigiar a elogiada peça “A Vela – Quando o Preconceito Mora em Casa“.

O texto de Raphael Gama é sensível, humano, fala de preconceito, abandono emocional, solidão, rejeição, emociona mas não pesa, traz leves toques de humor e faz a plateia identificar na fala das suas personagens as falas de outras famílias e uma voz social conservadora.

Os atores Herson Capri  e Leandro Luna (@leandroluna) são Gracindo e Cadu, respectivamente, pai e filho.  Gracindo é um professor de Literatura aposentado, idoso, que decide mudar-se para um asilo, após ficar sozinho na casa em que morava com a esposa. Cadu é o filho expulso de casa há 20 anos, após contar à família sobre sua orientação sexual, uma Drag Queen. Ambos se reencontram no momento em que Gracindo está empacotando sua mudança e o filho volta à casa para uma última conversa com o pai.

Nesse reencontro, entre citações literárias e clássicos musicais, brotam memórias de toda uma vida e os homens vão-se proporcionando uma tentativa de fazerem-se entender e serem aceitos um pelo outro.

Herson Capri sabe emprestar doçura ao seu conservador e relutante Gracindo. Leandro, no tom certo, esbanja versatilidade nos gestos, olhares, na voz e na postura de drag ou, simplesmente, de filho diante do pai.

Muitos aplausos no fim. Lágrimas também. Emoção garantida.

Equipe ArteCult e seguidores prestigiando o espetáculo

 

Seguem alguns comentários de seguidores do ArteCult que foram com a gente conferir a peça:

“No espetáculo que aborda com carinho e emoção os percalços familiares de um pai idoso e seu filho, uma drag queen, Herson Capri e Leandro Luna com suas performances marcantes nos tocam de diferentes maneiras, através de gestos, palavras ditas e as que se perderam em um passado de dor, onde o resgate do amor há tempos perdido nos emaranhados do preconceito e negação, ainda é possível e que a triste é chama efêmera, a vida é aqui, é agora é que não devemos nos esconder nas sombras do preconceito. Texto incrível, sobre família, escolhas, segredos, dores e amor. Não tinha como eu não chorar. Muitas referencias da minha infância.” (@izabel_bello)

“O retrato do q acontece em muitas famílias e q as vezes não dá tempo de cicatrizar as feridas do passado” (Ana Paula Pimenta – @ana_paula.pimenta)

“Leandro Luna com uma voz experiente e muito bem trabalhada trouxe brilho na interpretação das canções, bem como incorporou primorosamente uma drag queen.
Herson Capri trouxe nas sutilezas dos movimentos e tiques a representação clássica de um idoso “chato”.
O cenário sóbrio, bem ambientado numa casa antiga, trouxe o tom correto para os diálogos que se sucederam.
O texto singelo e bem cuidado, mesmo iniciando com um PQP, apresentou nas oscilações das falas entre carinho, amor, raiva e ódio a perfeita reapresentação da vivência de instabilidade dessas pessoas que se reconhecem como LGBTQIA+.” (Floriano Salvaterra – @f.salvaterra)

 

e-Flyer – Divulgação

SERVIÇO:

Peça “A Vela – Quando o Preconceito Mora em Casa

  • Elenco: Herson Capri e Leandro Luna
  • Texto de Raphael Gama
  • Direção: Elias Andreato
  • Local: Teatro das Artes (Shopping da Gávea, Rio de Janeiro)
  • Endereço: Rua Marquês de São Vicente, 52, 2º piso, Gávea, Rio de Janeiro, RJ
  • Sessões: Sexta e Sábado 21h e Domingo 20h
  • Valor:  Sexta e Domingo R$ 80 (Inteira) e R$ 40 (Meia)
    Sábado R$ 100,00 (Inteira) e R$ 50,00 (Meia)
  • Ingressos Online: www.divertix.com.br

 

 

 

 

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Ana Lúcia se formou em Letras (Português-Literatura) em 1993, pela PUC/RJ. Fixou-se em outra carreira. A identidade literária, contudo, está cravada no coração e o olhar interpretativo esgarçado pra sempre. Continua experimentando cursos em que o debate lhe acresça não só à escrita mas à alma. Some-se a isso sua necessidade de falar, sangrar e escorrer pelos textos que lê e escreve e isso nos traz aqui. Escreve ficção em seu blog pessoal (anagosling.com) desde março de 2010 e partilha impressões pessoais num blog na Obvious Magazine (http://obviousmag.org/puro_achismo) desde junho de 2015. Seu texto “Não estamos preparados para sermos pais dos nossos pais” já foi lido por mais de 400 mil pessoas e continua a ser compartilhado nas redes sociais. Aqui o foco é falar de Literatura mas sabe-se que os processos de escrita, as poesias e os contos não estão só nos livros mas na vida em si. Vamos falando de “tudo” que aguçar o olhar, então? Links: Contos, poemas, crônicas: anagosling.com Artigos, crônicas: http://obviousmag.org/puro_achismo Redes Sociais: Twitter: https://twitter.com/gosling_ana Facebook: https://www.facebook.com/analucia.gosling

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *