O Primeiro

primeiro1

Traçar as primeiras linhas sempre dão uma sensação de duplo sentimento.

Primeiro, o início, o começo que se dá na escolha das palavras que vão ilustrar, o contato, o tudo aquilo que você imaginou para o seu texto. O segundo, será que escolhi as palavras certas? Será que está bonito? As pessoas vão gostar? Escrever é sempre essa margem dupla de sentimentos. No entanto, sempre esperamos que tudo seja bem recebido.

Digo isso, pois esse é o meu primeiro texto aqui para o AC.

Há algum tempo sigo suas páginas, como um leitor, um fã que busca o melhor em autores contemporâneos, leitor voraz que sou. Se há algo que amo com a internet é seu poder democrático de divulgação de trabalhos. Muitos jovens artistas primeiro apareceram aqui, em seus blogs e sites, e depois ganharam o mundo, porque montaram uma base fiel de fãs que deram a validade à sua arte, àquilo que propunham fazer. Essa democracia internética veio para ficar e me faz imaginar quantos bons autores do passado poderiam ser por nós conhecidos se essa democracia de exposição já existisse há mais tempo?

Mas esse é meu primeiro texto para o AC.

Veio de um convite de um amigo autor que faço questão de expor por onde vou: Marco Simas. Já levei sua obra pelas várias escolas em que trabalho, devido a sua qualidade, referencialidade, primordialidade e acesso. Usei um de seus livros (O Último Trem) para um trabalho piloto sobre aquisição de cultura em torno do cinema e da literatura em uma escola no Rio. Os alunos amaram, eu como professor fiquei extasiado com o resultado e Marco viu sua obra lida e estudada com afinco.

Ele surgiu com a internet. Eu também. Primeiro pelas ondas do Grupo Literário Bagatelas. Depois seguimos caminhos distintos. Eu fui para o Trema Literatura. Lá também havia vários autores. Muitos hoje com relevância no cenário nacional que se constrói.

Temos agora esse espaço, o ArteCult.

Movo-me entusiasmado. Ao mesmo tempo assustado com essa nova responsabilidade. Ela vem na expectativa que há em torno do que virá daqui para frente. Uma vez mais o duplo sentimento de que falei no início do texto me toma. Estar entre feras é sublime. É fácil ser o leitor de antes. Aquele que vez ou outra faz a crítica silenciosa quando não gosta ou que relata o que gostou abertamente. Eu sou desses. Exponho-me no feliz.

E se estou aqui escrevendo, é porque esse sentimento me toma, me move e me assalta. Sou agora um colunista neste site. Desde o fim do Trema que eu não escrevo para a internet. Aceitei resignadamente o silêncio que me veio com o ponto final. Não saí em busca de um novo lar. Não criei um novo lar. Não comunguei com amigos e autores e artistas em suas várias formas a chance de montar um site, um grupo artístico, nada. Como disse, aceitei resignadamente o silêncio.

Li os vários sites, os vários autores e artistas que há tanto por aí, válidos, justos, relevantes, torcendo silenciosamente pelo sucesso que alcançavam e estavam a alcançar. Mesmo sem um lar, eu não me sentia desabrigado.

Agora, já não posso mais dizer o mesmo. Estou aqui no AC. Torno-a o meu novo lar e minha nova fonte de preocupação. De feliz preocupação. Farei daqui um canal entre os vários artistas que por aí estão, tão abertos a se exporem, tão preocupados com a validade de suas obras. Há muita gente boa por aí.

Ao mesmo tempo, serei um cronista – haja vista eu também ser um autor – destas percepções tão à tona em nosso mundo, que requerem um canal de diálogo, de instigação. Gullar – esse que vai nos fazer tanta falta – afirmava que “A Arte Existe Porque A Vida Não Basta”. E nunca será bastante. Mesmo. Disponível ou Indisponível.

A arte é muito.

Mas nunca é demais.

Estou aqui consciente de estar entre feras e da responsabilidade. Recebam esse texto como um abraço, um aperto de mão, de alguém que quer rir junto com todos vocês.

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Márcio Calixto
Professor e escritor. Lançou em 2013 seu primeiro romance, A Árvore que Chora Milagres, pela editora Multifoco. Participou do grupo literário Bagatelas, responsável por uma revolução na internet na primeira década do século XXI, e das oficinas literárias de Antônio Torres na UERJ, com quem aprendeu a arte de “rabiscar papel”. Criou junto com amigos da faculdade o Trema Literatura e atualmente comanda o blog Pictorescos. Tem como prática cotidiana escrever uma página e ler dez. Pai de dois filhos, convicto morador do Rio de Janeiro, do bairro de Engenho de Dentro. Um típico suburbano. Mas em seu subúrbio encontrou o Rock e o Heavy Metal. Foi primeiro do desenho e agora é das palavras, com as quais gosta de pintar histórias.