Vozes d’África

vozes-dafrica2

Mercado de rua em Moçambique

Sempre considerei que as ideias pairam no espaço, sobre as cabeças ávidas por elas. Inoculam na perspectiva de serem disseminadas, ganhar conhecimento, reconhecimento, inspirar reflexões.

O título estava pronto, em andamento a pesquisa sobre literatura africana, especialmente dos países lusófonos, as influências, o legado.

4-snague-negro

Hoje, a notícia da publicação, no Brasil, do livro “Sangue Negro”, de Noémia de Sousa. Escritora moçambicana, Carolina Noémia Abranches de Sousa Soares nasceu em 20 de setembro de 1926, em Lourenço Marques (hoje Maputo), e faleceu a 4 de dezembro de 2002, em Cascais, Portugal. “Sangue Negro” foi lançado, em Portugal e Moçambique, em 2001. Reúne 46 poemas escritos entre 1948 e 1951, espalhados pela imprensa moçambicana e estrangeira.

Seus poemas cantam a Mãe África, os valores africanos, o protesto e a denúncia. Pioneira na literatura no país, prega a revolução como a única maneira de transformar as estruturas sociais que devastam a terra moçambicana.

José João Craveirinha, o poeta maior de Moçambique, prêmio Camões de 1991, diz: “Podemos sentir o hálito ardente da fogueira quando lemos os versos desta escritora, o que mostra em sua literatura a evidência da moçambicanidade, ou seja, a valorização da sua nação em seus poemas. Ler Noêmia de Sousa é ler Moçambique”.

Noémia também se destacou na luta pelo fim do colonialismo em seu país, e na construção do movimento da Negritude. Publicava seus versos em jornais, revistas e folhetos políticos.

Amou Salvador, onde o Brasil é mais africano, foi amiga de Jorge Amado e curtiu o samba.

Quer conhecê-la?

2-noemia-de-sousa

 

SE ME QUISERES CONHECER

Se me quiseres conhecer,

estuda com olhos de bem ver

esse pedaço de pau preto

que um desconhecido irmão maconde*

de mãos inspiradas

talhou e trabalhou

em terras distantes lá do Norte.

Ah, essa sou eu:

órbitas vazias no desespero de possuir a vida.

boca rasgada em feridas de angústia,

mãos enormes espalmadas,

erguendo-se em jeito de quem implora e ameaça,

corpo tatuado de feridas visíveis e invisíveis

pelos chicotes da escravatura…

Torturada e magnífica.

Altiva e mística.

Africa da cabeça aos pés

— Ah, essa sou eu!

Se quiseres compreender-me

vem debruçar-te sobre minha alma de Africa,

nos gemidos dos negros no cais

nos batuques frenéticos dos muchopes

na rebeldia dos machanganas

na estranha melancolia se evolando…

duma canção nativa, noite dentro…

E nada mais me perguntes,

se é que me queres conhecer…

Que eu não sou mais que um búzio de carne

onde a revolta de África congelou

seu grito inchado de esperança.

 

  *Maconde = uma das etnias de Moçambique.

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Marco Simas
Marco Simas é cineasta, escritor e roteirista. Mineiro de Nepomuceno, radicado há muitos anos no Rio de Janeiro. Sempre ligado ao cinema, como roteirista e diretor, realizou vários filmes de curta-metragem,entre eles, os premiados "Um dia, Maria", "Solo do Coração" e "Com o andar de Robert Taylor". É ainda autor dos livros "Barbara não quer perdão", "Último Trem" e "Aqui Estamos Nós - Identidade".