Outro exemplo brasileiro

shirleneNo texto da semana passada, falei um pouco da minha história com a dança. Pensamos que nossa realidade é única até conhecer pessoas de outros lugares e saber que compartilhamos muito mais do que a nossa decisão de viver de dança.

Por isso, convidei minha amiga Shirlene Paixão, bailarina brasileira que também é atriz e cantora, para falar sobre os desafios de ser uma artista tão versátil no Brasil.

Ela iniciou os estudos de dança ainda criança. Todo seu processo de desenvolvimento, amadurecimento e educação aconteceu tendo a dança como protagonista da sua história.

“Quando chegou a hora do vestibular e, com ele, a escolha da profissão, não restava dúvidas, a dança e a arte eram o único caminho possível. Afinal, a trajetória já tinha começado e abandonar tudo no auge do amadurecimento técnico que se atinge aos 18 anos seria um enorme desperdício”, afirma ela.

Nunca disseram que seria fácil, e não foi, e ainda não é… Mas a cada dia, segundo ela, “a dúvida e a certeza caminham lado a lado e, com o tempo, você percebe que esse processo doloroso é, muitas vezes, a chave e a alavanca para a criação. Ser todo dia novo de novo!” Esse é o principal desafio.

Para Shirlene, a dança “pediu passagem e virou corpo, quis falar, cantar, escrever e pensar”… A dança a libertou: “ela me fez enxergar o mundo com outros olhos, provocou um intenso e profundo mergulho dentro de mim mesma”.

Ela se tornou atriz e cantora, mas sempre e primeiro de tudo, é bailarina. “Eu sigo, indo a cada passo ao encontro da nova arte, ao longo de 15 anos de vivências e inúmeras possibilidades”, exalta ela.

E dá uma dica despretensiosa: “não faça planos, se dedique a ser o melhor possível, se deixe ser visto e diga sim para as oportunidades; trabalhe, trabalhe duro e se torne um profissional cujo corpo é livre!”

A bailarina conclui, afirmando: “Só podemos interpretar quando, para além de nós, percebemos os outros, os tantos outros que somos e podemos ser. É tudo uma questão de escuta. Se você não pode viver sem ela, ela também não existirá sem você.”

Não é porque é minha amiga, não, mas Shirlene disse tudo!!!

https://www.facebook.com/shirlene.paixao.5

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Marcelle Banks
Sou Marcelle Pereira Soares Banks, a.k.a Celle Banks. Sou profissional com 10 anos de experiência na área de comunicação, com passagem pelo setor acadêmico privado e público, me formei em Comunicação Social na Universidade Federal Fluminense (UFF) e fiz o curso de Dança Contemporânea na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Há 12 anos, atuo profissionalmente como Bailarina, Designer, Coreógrafa e Publicitária. Amante das Artes Culturais e Sociais, sou empreendedora e promotora da diversidade cultural. Tenho um enorme desejo de me comunicar com as pessoas e escolhi fazer isso através da dança. Gosto de compartilhar com os outros a minha paixão pela dança. Meu maior interesse é estudar a diversidade de danças através do olhar contemporâneo, das danças tradicionais às urbanas. Já me apresentei em universidades, festivais e teatros do Brasil. Nos Estados Unidos, desenvolvo atualmente um trabalho sobre a investigação de danças tradicionais brasileiras. Essas obras têm aparecido em Festivais Internacionais. Em 2015, me mudei para a Argentina e aprimorei meus estudos a partir de fontes de universidades locais, como Universidad Nacional de las Artes. Divido-me entre Buenos Aires, Des Moines, Rio de Janeiro e Florianópolis, sempre embalada na minha paixão pela família e pela dança