O Pilates e a Dança

pilates1

A minha história com o Pilates começou cedo, depois de ser diagnosticada com escoliose aos 13 anos. Já fazia dança nessa época, mas as dores eram frequentes e minha mãe não poderia imaginar que eu tinha um problema na coluna. Foi então que o ortopedista recomendou, após a fisioterapia, praticar ballet, voleibol ou natação. Fiz todos!

Quase tive que usar um colete de correção postural, mas não foi necessário, pois o que o médico recomendou foi seguido à risca. A rotina de exercícios, a prática diária de manter a coluna ereta e em perfeita postura foi conquistada desde cedo. Não é a toa que a disciplina da boa postura me acompanha até hoje. Mas ainda não conhecia o Pilates nessa época.

Todas essas atividades buscam melhorar a postura e trabalhar a coluna de forma a reduzir os efeitos da má postura.

pilates

Tempos depois, já com a musculatura fortalecida, meu corpo demandou mais. Para evitar lesões e amplificar a flexibilidade, além do fortalecimento abdominal, aliada aos exercícios técnicos de dança fazíamos uma disciplina de Pilates. Foi um divisor de águas na minha performance em dança e em minhas atividades diárias. Me encantei de primeira.

Criado pelo alemão Joseph Pilates, em meados do século XX, esse método de condicionamento físico e mental utiliza movimentos aparentemente suaves que proporcionam o alongamento e a fortificação do corpo de forma integrada e individualizada. Melhora a respiração, diminui o stress, desenvolve a consciência e o equilíbrio corporal, aprimora a coordenação motora e a mobilidade articular e proporciona o relaxamento. Utilizando equipamentos criados especialmente para essa prática, é possível realizar os exercícios com baixo impacto e com poucas repetições, o que protege as articulações e a musculatura, e torna o Pilates acessível tanto para atletas profissionais quanto para pessoas sedentárias.

Por tudo isso, posso dizer que todas as minhas atividades – não só a profissional – melhoraram e muito! Consegui desenvolver com maior facilidade os passos, a minha musculatura ficou muito mais definida e não atrofiada. Também ganhei mais precisão e equilíbrio aos executar os movimentos. E, além de tudo, minha concentração melhorou muito pois, no Pilates, respiramos enquanto praticamos os exercícios e isso amplia nosso canal de percepção corporal por meio de maior autoconsciência. A respiração e a progressão, associadas à execução dos exercícios, fazem do Pilates uma prática que respeita nosso corpo e mente.

pilates-3

Foi inevitável escrever esse texto em primeira pessoa, declarando aqui abertamente minha paixão pelo Pilates. Que é tanta que, agora, além de praticante, também sou instrutora de Pilates, um desafio a que me impus e que consegui alcançar com muito orgulho!

Nada como ter primeiro me beneficiado dessa prática para agora poder oferecer a outras pessoas as vantagens que o Pilates traz para a vida, para a saúde e para o corpo.

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Marcelle Banks
Sou Marcelle Pereira Soares Banks, a.k.a Celle Banks. Sou profissional com 10 anos de experiência na área de comunicação, com passagem pelo setor acadêmico privado e público, me formei em Comunicação Social na Universidade Federal Fluminense (UFF) e fiz o curso de Dança Contemporânea na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Há 12 anos, atuo profissionalmente como Bailarina, Designer, Coreógrafa e Publicitária. Amante das Artes Culturais e Sociais, sou empreendedora e promotora da diversidade cultural. Tenho um enorme desejo de me comunicar com as pessoas e escolhi fazer isso através da dança. Gosto de compartilhar com os outros a minha paixão pela dança. Meu maior interesse é estudar a diversidade de danças através do olhar contemporâneo, das danças tradicionais às urbanas. Já me apresentei em universidades, festivais e teatros do Brasil. Nos Estados Unidos, desenvolvo atualmente um trabalho sobre a investigação de danças tradicionais brasileiras. Essas obras têm aparecido em Festivais Internacionais. Em 2015, me mudei para a Argentina e aprimorei meus estudos a partir de fontes de universidades locais, como Universidad Nacional de las Artes. Divido-me entre Buenos Aires, Des Moines, Rio de Janeiro e Florianópolis, sempre embalada na minha paixão pela família e pela dança