Atrás da Sombra: O Místico Brasileiro

Diferente da maioria dos grandes filmes brasileiros, no meio da pandemia, um se destaca: Atrás da Sombra, que estreou dia 17 de Julho nas plataformas de streaming da Net, Vivo e Oi, como também no Looke e no Canal Brasil.

Produzido pela Pira Filmes e pela Mandra Filmes, com distribuição da Elo Company, o longa conta a história de Jorge (Bukassa Kabengele), um ex-policial falido, que trabalha como detetive particular. No desespero financeiro, ele acaba aceitando a investigação de um jovem desaparecido no interior de Goiás, mas quando conhece melhor os moradores da pacata cidade, como Dona Dalva (Elisa Lucinda) e Valtim (Allan Jacinto Santana), percebe que essa investigação envolverá desde corrupção até o sobrenatural. O filme ainda conta com nomes como Bruna Brito, Zécarlos Machado, Érico Brás, Eliana Santos e Stephan Nercessian.

 

Os grandes diferenciais desse filme são a escolha e a abordagem do tema. Um suspense policial, não vemos muito do que estamos acostumados: tiroteios e muita ação. O ritmo da trama é muito bem construído. Entendemos desde as motivações dos personagens até as consequências de suas ações. O elemento sobrenatural esteve presente desde o início e a evolução das investigações começam a mostrar como o tema se encaixa na história. Todo o clima se completa com a trilha sonora.

Com um plot twist dramático e chocante, o filme deixa uma reflexão sobre as mazelas de nosso país, não a violência nos grandes centros, como costumamos ver nas telonas, mas a corrupção, muito melhor disfarçada nas cidades de interior.

CONFIRA O TRAILER:

 

 

 

 

O ArteCult teve a oportunidade de conversar por email com o diretor Thiago Camargo, estreante em longas, que também é roteirista. Confira como foi:

 

ArteCult: O gênero do filme é bem diferente daqueles que realmente são veiculados em massa no cinema brasileiro, da forma que são as comédias e aqueles que tratam das mazelas do nosso país, como violência e pobreza. Qual o maior desafio de estar em/ fazer um filme de suspense, que lida até com o sobrenatural?

Thiago: Que bom que achou o filme diferente, obrigado. Realmente foi uma preocupação nossa em fazer um filme com uma pegada bem naturalista que teria o suspense como gênero narrativo. Optamos por trabalhar  suspense  onde a dúvida, o clima do não dito, tem, ao meu ver, um efeito muito mais potente na construção de uma narrativa misteriosa que cenas explícitas de violência ou explorar o susto pelo susto apenas . O cinema oriental de suspense faz isso muito bem. 

Tivemos uma equipe e elenco jogando muito junto e criando coletivamente todas as nuances de filme, então o maior desafio foi mais pela estrutura de produção e gravação do filme em si, que é de baixo orçamento com um elenco grande, muitas locações, gravações em matas e tínhamos poucas diárias para filmar tudo. Ao todo foram 27 diárias de filmagem.

 

ArteCult: Qual a conexão que vocês já tinham com os temas espirituais abordados no filme. Já conheciam e acreditam? O que aprenderam?

Thiago: A princípio eu e Daniel (Daniel Calil, Co-Roteirista) queríamos retratar um contexto místico sem caracterizar nenhuma religião específica desde que ela remetesse a algo brasileiro. Eu não sou religioso nem Daniel eu acho hahah. Mas quando começamos o trabalho de preparação de elenco a Elisa Lucinda e o Allan Jacinto, que frequentam o candomblé, sugeriram essa incorporação desses elementos dentro dos símbolos e cânticos do filme. Eu gostei bastante e trabalhamos um ponto de equilíbrio onde ao meu ver fiquei bastante satisfeito. Um filme de suspense, sobrenatural  que tem a cara do Brasil, de Goiás.   

 

ArteCult: Quando surgiu a concepção do projeto do longa?

Thiago: Dirigi um curta metragem em animação chamado A Caça em 2011, que serviu de inspiração para o Atrás da Sombra. Nele uns rapazes da cidade se perdem em uma região rural e se encontram com um caipira que, num primeiro momento, parecia ser inocente e supersticioso, mas no final estava caçando os jovens para alimentar uma fantasma que morava na mata. 

Em 2013 estava procurando roteiristas e conversei com o Daniel Calil e a partir desse encontro escrevemos várias versões do ‘Atrás’ até chegar nesse momento. Por ser um projeto que demorou muito a sair do papel, a gente foi amadurecendo e precisávamos que o roteiro amadurecesse com a gente. Assim, o Daniel virou um grande parceiro e juntamos nossas duas produtoras, Mandra Filmes e Pira Filmes, para realizar esse projeto. 

 

ArteCult: A sonoplastia é uma das principais estruturas de um filme. E na produção ela está bem presente. Quem foi o responsável pela mixagem de som e trilha sonora nessa produção?

Thiago: O responsável pela mixagem e trilha sonora fui eu mesmo. Contando com a edição de som do Guilherme Nogueira. Minha raiz no cinema é o som. Desempenho função de desenho de som, som direto, mixagem e trilha sonora desde 2004. Então o som sempre teve uma importância muito forte na minha maneira de contar histórias.

 

ArteCult: Você pensaria nesta obra como uma possibilidade de sequência? Caso positivo, por qual seria o motivo?

Thiago: A possibilidade sempre existe né? Agora é uma coisa a se pensar com muita calma. Mas refletindo rapidamente gostaria de ver o Jorge voltando para a cidade depois de tudo isso que ele passou, seria interessante. Mas será que ele voltaria pra cidade? O que a Dalva e Valtim iriam fazer depois que saíssem da mata? Acho que são exercícios legais de imaginação mas no momento acho que não passa disso.

 


ArteCult – Cinema & Companhia

Siga nosso canal e nossos parceiros no Instagram para  ficar sempre ligado nas nossas críticas, últimas novidades sobre Cinema e Séries, participar de sorteios de convites e produtos, saber nossas promoções e muito mais!

@artecult , @cinemaecompanhia , @cabinesete ,
@cinestimado e @hospicionerdoficialp

#VamosParaOCinemaJuntos

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Stephanie Miranda
Carioca, 20 anos, estudante de engenharia, colecionadora de canhotos de ingresso de cinema e apaixonada pela Sétima Arte. Seja na telinha do meu celular ou nas telonas dos cinemas, assistir filmes é uma verdadeira paixão. Pra mim, cinema é uma das mais belas formas de arte. O modo como integra todas as outras artes é simplesmente mágico, como me faz viajar e me teleporta para outras realidades, como me envolve, me intriga, me emociona... Seja sozinha ou com amigos, cinema é sempre uma boa opção pra sair, mas se o assunto é ficar em casa, por que não maratonar aquela série? Tenho aqui no ArteCult a chance de compartilhar minhas impressões sobre um pedaço desse mundo maravilhoso e, assim, espero poder fazer vocês sentirem um pouco do que senti, e também sentir um pouco do que vocês sentiram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *