“MEU MUNDIAL – PARA VENCER NÃO BASTA JOGAR”: Bate-papo com Daniel Baldi, escritor do livro que inspirou o filme

 

“Meu Mundial – Para Vencer Não Basta Jogar” filme uruguaio mais assistido de todos os tempos nos país tem sua história baseada em um livro chamado “MI  MUNDIAL” que se tornou um fenômeno de venda por trazer uma das paixões da América Latina como pano de fundo o futebol e o sonho de um jovem em se tornar um famoso e reconhecido jogador profissional. O Artecult teve a oportunidade de conferir a produção que chega aos cinemas dia 19/09 e podemos bater um papo com o escritor Daniel Baldi e o talentoso ator Néstor Guzzini que interpreta o (Ruben) o pai do jovem no filme.

O filme possui direção e roteiro adaptado por Carlos Andrés Morelli e apresenta uma trama simples com bastante pé no chão que promete divertir e emocionar seu público, por nada mais mostrar a realidade de milhares de jovens que buscam esse sonho, fazer aquilo que ama tornar-se seu ganha pão. Na história vemos Tito (Facundo Campelo) um garoto talentoso, que sonha em se tornar um grande jogador de futebol. Aos 13 anos, ele chama a atenção de um importante olheiro e consegue fechar um contrato milionário com um time. Do dia para a noite, Tito tira a sua família da pobreza e começa a assumir as responsabilidades do mundo adulto, mas é só quando as coisas começam a dar errado que o garoto voltará a encontrar no esporte algo além de um compromisso profissional.

Participamos da cabine do filme  “Meu Mundial – Para Vencer Não Basta Jogar” e batemos um papo para lá de especial com dois queridos o escritor do livro no qual o filme se baseia: Daniel Baldi e o ator e talentosíssimo Néstor Guzzini, que foi um dos ganhadores na Categoria de Melhor Ator no Festival de Gramado. Confira uma parte do nosso bate papo conjunto com a presença dos entrevistadores: Cinema com rapadura e Os Geeks, abaixo :

ENTREVISTADORES – Acabamos de conferir ao filme. Acreditamos que muita gente em toda a América Latina a realidade é a pobreza e o sonho do futebol. Gostaríamos de perguntar quando começou a escrita do livro que baseou o filme?

Daniel Baldi (escritor): Bom, eu sou filho de professora e sempre em minha casa, aprendi a caminhar jogando futebol e quando aprendi a ler na escola, minha mãe tentava me estimular a ler livros e a mim chegava livros de animais, mas não me interessava o que realmente me despertava interesse era o futebol. Meu amigo argentino me apresentou um livro que tinha um vampiro na capa, que ele possuía uma característica diferente seriam vários finais no livro, aquilo me chamou muita atenção e a partir daquele momento minha vida mudou, assim não parei mais de ler. E assim fui praticando, estudar e me preparar intelectualmente e assim comecei a produzir minhas obras. E futuramente junto com meu amigo Diego surgiu a ideia do livro “Mi Mundial” uma história que mostra sobre a realidade de muitos jovens que sonham em ser jogadores profissionais mas só acabamos conhecendo 1% destes jovens que sonham em ser jogadores profissionais.

ARTECULT (Luan)  – O filme possui um conjunto entre Uruguai e Brasil, como surgiu essa parceria?

Daniel Baldi (escritor): Sem dúvida alguma Diego tem uma importância muito forte neste projeto, ele contribuiu muito comigo desde a concepção do livro, ele é a raiz deste projeto e a parceria entre Uruguai e São Paulo…

ARTECULT (Luan)  – Como foi a recepção do filme no Uruguai ?

Daniel Baldi (escritor): Foi espetacular. Foi o segundo filme mais visto no país, competimos com grande blockbusters americanos. Eram impressionante todas as salas cheias, as pessoas aplaudiam. Pois, o livro que o filme se baseou era muito conhecido no país por todos, pois o livro foi o fenômeno de venda com uma incrível marca de 30.000 exemplares. Então foi um grande boom no momento em que foi lançado no país.

ARTECULT (Luan)  – O que você acha que este filme pode contribuir para o seu público?

Néstor Guzzini (Ruben): A mim me parece que o ator precisa se desprender do compromisso de qual é a mensagem do filme ou a moral do filme isso se vai se construir naturalmente durante o desencadear do filme, mas ele deve está mais focado em contar a história mais real possível,e isso inclui que o pai dele é o mais nobre dessa história, ele possui uma condição financeira boa, mas luta para que o filho dele tenha uma boa educação e busque alcançar ter uma boa vida. Tentamos mostrar cada personagem com as suas camadas e isso ajuda o público possui uma dimensão e se conectar com a vida daqueles ricos personagens. Devemos mostrar que todos os personagens do filme são importantes para a história como um todo, o público deve se conectar com aquele mundo. Muito mérito da forma como conduzimos a nossa interpretação é muito mérito do diretor, que está muito claro e atento a como quer contar essa história.

CONFIRA O TRAILER DA PRODUÇÃO:

 

 

 

 

  • Coprodução: Uruguai/Argentina/Brasil
  • Língua original: Espanhol-Português
  • Duração do filme: 01:41:55
  • Classificação 12 anos

FICHA TÉCNICA

  • Roteiro e direção: Carlos Morelli (Baseado no livro “Meu Mundial” de Daniel Baldi).
  • Colaborador no Roteiro: Martín Salinas
  • Produtora: Lucía Gaviglio Salkind
  • Coprodutores: Beto Rodrigues, Tatiana Sager e Daniel Pensa
  • Coordenador de Produção: Inés Méndez Köncke
  • Diretor de fotografia:   Sebastián Gallo
  • Direção de Arte: Cristina Nigro
  • Assistente de direção: Diego Ferrando
  • Chefe de produção: Pedro Barcia
  • Produção de Arte: Belen Cirio
  • Elenco: Bruno Aldecosea, Ines Lage
  • Montagem: Santiago Bednarik, Carlos Morelli
  • Música Original: Hernán Gonzalez
  • Edição: Santiago Bednarik – Carlos Morelli
  • Trilha sonora: Hernán Gonzalez e Sergio Ribas
  • Editor de som: André Sittoni
  • Som Direto: Guto Keller
  • Figurino: Mariana Dosil
  • Maquiagem e cabelos: Luciana Díaz

Uma produção de Lucía Gaviglio Salkind/La Gota Cine. Co coprodução com da Panda Filmes (Brasil) – Pensa & Rocca Producciones (Argentina) – Coral Cine (Uruguay) – U Films (Uruguay). Com a participação de La Tele. Produção executiva de Lucia Gaviglio, Daniel Pensa, Beto Rodrigues.

Companhias produtoras:

LA GOTA CINE (Lucía Gaviglio Salkind), PANDA FILMS (Beto Rodrigues – Tatiana Sager), PENSA & ROCCA (Daniel Pensa – Miguel Rocca), CORAL CINE (Andrés Varela – Sebastián Bednarik), U FILMS (Lucía Gaviglio Salkind – Virginia Hinze) coma participação da TELE.

 

LUAN RIBEIRO

 

 

 

ARTECULT – Cinema & Séries
Acompanhem-nos em nossas redes sociais:

@artecult , @cinemaecompanhia , @casaldecinema,
@cabinesete ,  @cinestimado e @resetdepoisdever

 

Faça abaixo um comentário sobre este artigo. PARTICIPE!

Comentários (utilize sua conta no Facebook):

Powered by Facebook Comments

Author

Luan Ribeiro
Sou natural de Mata de São João, Bahia, mas atualmente moro na cidade do São Paulo. Sou formado em Engenharia, mas sempre tive uma verdadeira fixação pelo universo cinematográfico e sou o admin do @CinemaeCompanhia no Instagram. Assistir um filme é minha válvula de escape para mergulhar e me aventurar em mundos totalmente novos e me desligar dos problemas do dia-a-dia. Aproximadamente de duas a três vezes confiro as estreias da semana nas telonas, digamos que eu seja quase um “rato de cinema”. rs Será um enorme prazer compartilhar aqui minhas opiniões sobre os filmes e suas principais curiosidades. E uma ótima oportunidade para poder aprender e "trocar figurinhas" com todos vocês! Espero que se divirtam muito e curtam minhas dicas. Que a FORÇA esteja com vocês!!! Forte abraço! Luan Ribeiro. Instagram.com/CinemaeCompanhia e-mail: luancribeiro@hotmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *